Postado em 20/10/2022

SAIBA QUAL O DESTINO DA HERANÇA DO FALECIDO NOS REGIMES DE SEPARAÇÃO CONVENCIONAL E OBRIGATÓRIA DE BENS.

É necessário fazer uma análise jurídica do regime de bens a ser adotado no casamento para que tenham o destino desejado. Conheça os regimes de separação de bens para maior proteção do seu patrimônio.

Muitas pessoas, ao adotar o regime de separação de bens, acreditam estar afastando o seu cônjuge da sucessão. Mas não é bem assim. A confusão se dá porque a regra no divórcio é uma e na sucessão é outra.

Os noivos adotam o regime de separação convencional de bens por mera liberalidade. Em caso de divórcio, há incomunicabilidade dos bens adquiridos antes, na constância e após o casamento, de modo que os bens de cada cônjuge constituem bens particulares.

No regime de separação legal ou obrigatória de bens, não há possibilidade de escolha do regime pelos noivos, já que é imposto pela legislação, como por exemplo nos casamentos com maiores de 70 anos. Em caso de divórcio, a regra é de incomunicabilidade dos bens adquiridos antes, na constância e após o casamento.

Porém, com o advento da Súmula 377 do STF, essa regra não é mais absoluta. De acordo com a Súmula, “no regime de separação legal de bens, comunicam-se os bens adquiridos na constância do casamento”, sendo essa a única exceção à incomunicabilidade dos bens adquiridos na constância do casamento celebrado pelo regime da separação obrigatória de bens. Dessa forma, o cônjuge sobrevivente terá direito apenas à meação dos bens adquiridos ao longo do casamento, não tendo direito à herança com relação aos bens particulares do cônjuge falecido (adquiridos antes do casamento).

Já no caso da sucessão do cônjuge casado sob o regime da separação convencional de bens, o cônjuge sobrevivente ostenta a condição de herdeiro necessário, concorrendo à herança com os descendentes do falecido. Ou seja, o cônjuge sobrevivente terá direito aos bens particulares deixados pelo falecido, na qualidade de herdeiro.

Dessa forma, é necessário fazer uma análise jurídica do regime de bens a ser adotado no casamento, para que assim possa ser realizado um planejamento pré ou pós-casamento e os bens, de fato, tenham o destino desejado.
 
MARIA DIRCE PADREDI ALVES é advogada associada do escritório Marinho Advogados Associados. Graduada em Direito pela Eduvale de Avaré/SP. Pós-graduada em Direito Processual Civil pela Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL, Pós-graduada em Direito Bancário pela Faculdade Verbo Educacional, atuou por trinta anos no setor bancário em instituições financeiras 

Endereço / Contatos
Marília/SP
Rua José Joaquim de Oliveira, 249
Jardim Acapulco - CEP 17.525-170
Telefone
+55 14 3453 1361
São Paulo/SP
Avenida Paulista, 491 - Conj. 51
Bela Vista - CEP 01.311-000
Telefone
+55 11 2096-3165
Avaré/SP
Avenida Pref. Paulo Novaes, 1067
Centro – CEP 18.705-000
Telefone
+55 14 3448-1475
contato@marinho.adv.br
© 2022 Marinho Advogados Associados. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por StrikeOn.
Whats

Este site utiliza cookies para otimizar a sua experiência de navegação. Ao continuar navegando, consideramos que você está de acordo com a nossa Política de Privacidade. Para mais informações, clique aqui.